quarta-feira, 28 de setembro de 2011

O morto – Charles Pennequin




quanto tempo vou ficar me fazendo de morto no jardim 
quanto tempo vou ficar me fazendo de morto no sótão ou então isso é o quarto
eu já não sei bem se é o sótão ou se é o quarto
vejo daqui o respiradouro ou será a janela 
eu já não sei se vejo bem pode ser que esteja vendo bem até demais
se continuar assim verei ainda melhor 
e então poderei dizer se vou continuar me fazendo de morto
será que devo continuar por muito tempo me fazendo de morto 
pelo menos até que eles cheguem
e se continuo como morto assim será que eles virão aqui me ver 
virão ver se estou morto de verdade
talvez eles venham aqui me ver e me desejar feliz aniversário
hoje é seu aniversário você tem dez anos 
daqui a pouco vai fazer quinze anos que você tem 10 anos
agora você tem que parar de se fazer de morto você vai sair do quarto
e vai passear e vai brincar e vai para perto do canal
e vai cair no canal e vai brincar com um amigo 
o amigo vai achar que você foi embora e esqueceu a bicicleta e ele vai trazer a bicicleta de volta e você estará no canal 
você estará mergulhado ali dentro querendo pegar os peixes e você não vai sair de lá
você queria pegar os peixes e acabou caindo no canal e seu amiguinho voltou 
ele disse que não te encontrou 
e eles disseram que você ainda estava se fazendo de morto em algum lugar





Charles Pennequin nasceu em Cambrai, norte da França, em 1965. Charles Pennequin é um poeta francês. Charles Pennequin participa de muitas leituras e faz performances lendo seus poemas. Charles Pennequin publica seus textos desde 1995, em formatos diversos por editoras diferentes (P.O.L., al dante, Niok etc.), dentre os quais estão livros como La ville est un trou, 1jour, Bibine e Loupé, publicado este ano. Charles Pennequin escreve no blog http://charles_pennequin.20six.fr/ onde mostra textos inéditos e várias performances e leituras. Selecionei algumas capas de seus livros para produzir uma dimensão-visual da sua obra em papel: 


 




Charles Pennequin escreveu um poema chamado "o morto". Traduzi este poema diretamente do áudio (pois não localizei o texto escrito) e isso reforçou a relação com o caráter sonoro da poesia de Pennequin. Sua leitura (já postada no blog da modo de usaré bem característica: Pennequin costuma falar seus textos nesse ritmo: literalmente à bout de souffle

Sem comentários:

Publicar um comentário